As flores da Arrábida

Durante o ano passeamos pela serra, mas a primavera é sem dúvida a minha estação preferida. É no silêncio, apenas interrompido pelo cantar dos pássaros e pela brisa do vento, que descobrimos as flores que nesta altura do ano enchem de cor os campos.

Desta vez fomos muito bem acompanhados pelo guia de campo “Flores da Arrábida” que desde já recomendo. Este livro contém não só a descrição morfológica, como também o tipo de solo onde cresce, quando floresce, em que zonas do planeta, qual a sua utilização (culinária, cosmética, medicina, industria artesanal, ornamental, entre outras), etc.

DSC_2655DSC_2656 DSC_2657 DSC_2663 DSC_2668 DSC_2669 DSC_2672 DSC_2677 DSC_2678 DSC_2683 DSC_2690 DSC_2695 DSC_2696  DSC_2708

Fio”Juniper Moon Farm Herriot Fine”

Comprei este fio para fazer umas meias, mas à medida que o cós ia crescendo,  ficava cada vez mais convecida que seria uma pena esconder um fio com uma cor tão bonita, por isso optei por desmanchar e fazer um xaile.

A escolha foi o kaipuu, um modelo que pode ser adquirido sem qualquer custo. No entanto e apesar de gostar da barra original, decidi experimentar fazer a minha própria barra, para isso contei com a ajuda de um livro do qual vos falarei mais tarde.

O fio (Juniper Moon) do corpo do xaile, foi comprado na, “The Craft Company, Cascais”, quanto ao fio da barra tinha sobrado deste cachecol, e foi adquirido na “Artimoda”. Duas lojas diferentes, mas que gosto imenso, não só pelo material que vendem, como pela forma simpática como nos acolhem.

DSC_2626 (2) DSC_2639 (1) DSC_2641 (1)

“Embroidered Garden Flowers”

Nesta minha viagem pelo mundo dos bordados, descobri um livro que me apaixonou.
O “Embroidered Garden Flowers” é outro livro em japonês, deste vez do autor Kazuko Aoki. Nele, podemos encontrar desde plantas aromáticas, medicinais, às campestres, passando pelas recreativas, como é o caso da planta do tabaco.

Ainda não me atrevi a experimentar, mas quero muito tentar. Para quem sabe bordar à séria, os desenhos parecem ser muito fáceis, mas para iniciantes autodidatas, como é o meu caso, não sei se será assim tão simples.

Ficam aqui algumas imagens, deste livro que me encantou.

DSC_2604DSC_2605 DSC_2606 DSC_2607 (1)DSC_2608

Elásticos para o cabelo

Estou rendida aos desenhos japoneses da Hiroko Ishii!  São muito simples de bordar, mesmo para quem não tem grandes conhecimentos nesta área como é o meu caso.
Uma das ideias que o livro nos mostra é aplicar os bordados  em elásticos para o cabelo, achei a ideia tão gira que foi isso mesmo que fiz. Algumas horas de entretenimento e aqui estão eles.

DSC_2559

DSC_2571

DSC_2563

Bordados

Há uns anos atrás a minha mãe deu-me uma lata, com linhas para bordar, que tinha lá por casa. Guardei-a com a esperança de um dia poder dar-lhe uso. O dia chegou quando descobri os desenhos da designer japonesa Hiroku Ishii!
Comecei a transferi-los para o pano, sem perceber muito bem o que iria sair dali, mas aos poucos comecei a gostar do que via e achei que mereciam um fim melhor do que ficarem dobrados e esquecidos dentro de uma gaveta. Cortei os pedaços de tecidos e fiz umas almofadinhas de alfazema!

DSC_2515 DSC_2509 DSC_2520DSC_2521

Mirasol – Sulka Legato

Lá fora, apesar do frio que teima em não ir embora, a primavera já se faz sentir, e nas lojas já começam a aparecer as novas coleções de algodões, mas pessoalmente prefiro continuar a tricotar lã.

Desta vez, três cores, um fio com uma mistura de três fibras, Lã, Alpaca e Seda. O modelo, chama-se “3 Color Cashmere Cowl”, é muito fácil de tricotar e podem encontrá-lo aqui.

No blog “Pomar às cores”, podem encontrar a mesma gola com outros fios, foi lá que a descobri. Obrigada pela partilha!

DSC_2488DSC_2455DSC_2449DSC_2474DSC_2466

Barras energéticas caseiras

Fazer as nossas próprias barras energéticas é muito fácil e divertido, pois podemos “brincar” um pouco com os ingredientes e fazer uma grande variedade de barras.

Desta vez utilizámos nozes, sementes de linhaça, sementes de girassol, sementes de sésamo, chia, flocos de aveia e canela. Podem ainda acrescentar ou substituir por outros, como o amendoim, amêndoa, avelãs, sementes de abóbora, pepitas de chocolate, passas, etc

A união dos ingredientes, faz-se através de mel e óleo de coco. Neste caso, misturamos quatro colheres de sopa de mel e duas de óleo de coco, que irão ajudar a ligar todos os ingredientes.

Estende-se a mistura, com um centímetro de altura, num tabuleiro e vai ao forno cerca de 20 a 25 minutos a 180º. Deixa-se arrefecer e salpica-se com mel ou chocolate previamente derretido em banho Maria.

“Bord de mer”

Em Janeiro mostrei-vos o início aqui, hoje mostro-vos o xaile “Bord de mer” terminado. Por ser muito grande, houve uma altura em que a vontade de o tricotar não era muita, mas como não gosto de deixar projetos a meio, continuei. Sinto que valeu a pena, porque o modelo é de facto muito bonito. A receita pode ser adquirida aqui.

rsz_dsc_2169

rsz_1dsc_2170